Búzios! Bar do Zé! Não imagino combinação mais perfeita!

O Bar do Zé é a cara & o astral de Búzios!

Primeiro devo explicar que o “Bar do Zé” não é exatamente um “bar”… O que, claro, não te impede de ir lá e se esbaldar apenas com caipivodkas ou champagne geladinho. Mas o “Bar” é, na verdade, um restaurante bacanérrimo! Lindo, charmoso, badalado, e a comida deliciosa! À noite o ambiente é à luz de velas, o que dá um ar ainda mais aconchegante. Ah, e como se não bastasse, fica de frente pro mar, vista que você tem de qualquer das mesas – e repare bem, olhe ao redor, respire e sinta – você está em Búzios! Bem na Orla Brigite Bardot!

O astral do lugar começa lá dentro, na cozinha, pelas mãos do chef Fabiano que, com seu sorriso contagiante (é só ver a foto), prova que é possível juntar talento e simpatia.

Aí você vai me perguntar: “e o Zé?!” O Zé tá logo ali, sempre no restaurante, é só reparar: discreto, gentilíssimo, invariavelmente de calça jeans e camiseta, e com ares que não deixam qualquer dúvida: é surfista! Fácil reconhecer!!!

A Receita…

No começo de 2011, “meio” na cara de pau, falei pro Zé da minha idéia de fazer a primeira receita do blog novo lá (eu mesma nem imaginava que ia demorar tanto para lançar o novo blog…), e com um ingrediente em particular: champagne – ADORO! Ele concordou! Dias depois o chef Fabiano preparou, de surpresa, um delicioso risoto – eu lá, de frente pro mar, com uma taçinha de champs, feliz da vida, brindando… TUDO!

O risoto não está no cardápio, mas o Fabiano disse que é só pedir que ele prepara na hora! Hummm, já estou com água na boca para voltar lá logo e repetir!

Zé, Fabiano, desculpem o atraso… E muito obrigada!


Ao Risoto! Champagne, Pera & Lagosta! (com meus “pitacos”)

Ingredientes (2/3 pessoas):

2 xícaras de arroz arbório
4 rabos de lagosta/lagostin
2 copos de Champagne/espumante brut
1 colher de café de açafrão
1 pera (tire as sementes e casca e passe no liquidificador com um pouquinho de água)
1 tablete de caldo de legumes
1/2 cebola roxa pequena raladinha
1 Bouquet Garni
Manteiga para preparar as lagostas
150 ml de creme de leite fresco
Sal a gosto
1 pera

Primeiro, coloque para ferver numa panela grande – 1 e 1/2 litro de água, 1 copo de Champagne, o bouquet garni, 1 colher (sopa) de cebola e 1 tablete de caldo de legumes. Mexa até dissolver o caldo de legumes e deixe ferver. Essa será a água que vai molhar o risoto aos poucos até que ele ficar pronto.

Das 4 caudas de lagostas, 2 serão guardadas inteiras para colocar encima do risoto e 2 serão preparadas antes para colocar a carne misturada ao arroz. Então, lave e tire a casca daquelas 2 que serão incorporadas ao arroz, pique a carne em cubos grandinhos (do tamanho de um camarão médio) e tempere com sal. Numa frigideira ou grelha com manteiga (1 colher de sopa) bastante quente coloque os pedaços de lagosta e grelhe por por 2 ou 3′. É muito rápido, do contrário ficará borrachuda.  Separe esses pedaços que serão colocados no arroz.

As outras 2 caudas você já deixa temperada porque assim que o risoto estiver pronto você vai grelhá-las para colocar encima do arroz, uma em cada prato.

Basicamente o risoto é preparado juntando água aos poucos (1 ou 2 conchas por vez) e mexendo sem parar. Na medida em que ele vai secando você vai colocando mais água e alguns ingredientes até ele ficar cozido ao dente.

Vamos ao nosso: em outra panela grande, aqueça 1 colher (sopa) de manteiga e 1 colher (sopa) de cebola picadinha. Coloque o arroz e mexa. Em seguida jogue 1 copo de Champagne à mistura, mexa e deixe evaporar um pouco (1 a 2′minutinhos). Coloque 2 conchas daquela “água temperada”, e mexa suavemente sem parar. Quando sentir que a água está secando, coloque mais 1 ou 2 conchas de água, e continue mexendo.

Após uns 10′, coloque a pera batida no liquidificador (pode deixar uns pedaçinhos de pera inteiros) no arroz. Quando der 15′ (lembre-se que você estará mexendo o arroz sem parar) você já pode começar a provar o risoto para sentir o ponto de cozimento. O meu, em geral, demora uns 20′ para ficar al dente. Lá pelos 15′ você já pode misturar os pedaços de lagosta. Coloque também uma colher de (café) de açafrão – ele vai dar a cor amarela à mistura – se precisar coloque um pouco mais.

Quando estiver al dente, desligue e despeje o creme de leite fresco misturando bem. Prove o sal e acerte se for necessário. Tampe a panela.

Grelhe as caudas que estavam separadas com a parte da carne para baixo. Frigideira/grelha bem quente. Lembre-se de temperá-las com sal e pincelar com manteiga (ou colocar a manteiga na frigideira – só não deixe esquentar demais porque a manteiga queima…). Quando dourar retire.

Sirva uma boa porção em cada prato e coloque por cima a cauda de lagosta que você acabou de grelhar.

Hummmm…. Delícia! Sucesso absoluto!

Chef Fabiano!

1 comentário

Tentação natalina tem nome pra mim: RABANADA! A-M-O!

A situação só não fica crítica porque primeiro – elas só aparecem 1 vez por ano (ufa!), e segundo – eu só gosto quando ainda estão quentes – ou seja, ou acordo cedo para ficar ao lado do fogão esperando elas ficarem prontas (hoje devorei 3 no café da manhã!) ou não como mais…

E em matéria de rabanada não tem pra ninguém – Dona Heloiza arrasa! Já provei váriassss ao longo dos anos – em outras casas, de receitas secretas a padarias da esquina, cafés… mas nada se compara as fatias douradas (como são conhecidas em Portugal) das fotos logo abaixo!

Que tal fazer um teste e tirar a prova?! Me conta depois!

RABANADAS
Ingredientes:
Pão da rabanada (12 a 15 fatias)
Leite integral (1 a 2 xícaras)
Leite condensado (cerca de 1/2 lata)
1 ovo
Óleo para fritar (pode ser de canola, girassol, soja, etc.)
Açúcar
Canela

Etapa 1: corte o pão de rabanada em fatias de, aproximadamente, 2 dedos de largura. Com uma faca de pão corte as beiradas (cascas) mais duras (grossas) da fatia. Se preferir (ou na dúvida) tire toda a casca, mas faça isso bem rente ao pão, aproveitando o máximo.

Etapa 2: coloque num prato fundo 1 xícara de leite a temperatura ambiente e 2 colheres (sopa) de leite condensado e misture com uma colher. Passe a fatia de pão nessa mistura dos 2 lados até encharcar de leite (mas sem deixar o pão mole demais) e retire o excesso. Se você quiser fazer essa etapa usando um garfo tudo bem, mas aqui a gente usa a mão mesmo – passa a fatia do leite, e depois aperta um pouquinho para tirar o excesso. O pão deve ficar bem molhadinho.

Etapa 3: quando todas as fatias estiverem prontas, espalhe um pouquinho de leite condensado por cima, mas só de um lado.

Etapa 4: num prato fundo bata 1 ovo com um garfo (tipo omelete) e passe a fatia de rabanada nesse ovo batido – dos 2 lados e na lateral, se necessário.

Etapa 5: quando terminar a etapa 3 já coloque o óleo numa frigideira funda (grande o suficiente para colocar 4 dedos de altura de óleo e ainda sobrar uns 3 dedos de altura livres pra cima – eu e minhas medidas…), e leve ao fogo médio/alto até ficar bem quente. Frite as rabanadas, colocando o lado do leite condensado para cima primeiro. Depois de dourado 1 lado, vire a rabanada e deixe dourar o outro lado.

Etapa 6: retire e coloque numa frigideira aquecida (fogo baixo – sem óleo, nada), deixe um pouquinho de cada lado. Com isso você vai terminar de dar o ponto, e deixar as rabanadas ainda mais sequinhas. Retire e coloque num papel toalha.

Etapa 7: Em seguida passe as rabanadas na mistura de açúcar e canela. Retire o excesso dando uma batidinha e pronto! Hora devorá-las!

Etapa 3
Etapa 4
 Etapa 6
Hummm…
Delícia! Etapa final!
Mammy numa pequena pausa no Jardim de Luxemburgo
4 comentários


Como entradinha – por isso tão pouquinho!

O bacalhau é uma das estrelas nesta época de Natal.

Esta receitinha é bem fácil e rápida, e desconheço quem não goste. A parte mais “chatinha” é desfiar o bacalhau… Dou preferência ao bacalhau desalgado por uma questão de tempo, compro e faço imediatamente, e pulo aquele “processo” de colocar o bacalhau de molho e ficar trocando a água a cada 2 horas… Mas nada impede de você usar o bacalhau que tem em casa.

Você pode usar ramekins individuais (como os da foto) ou um grande pirex. Em tempo de muitas pessoas à mesa, sem dúvida a última opção é bem melhor.

Pode ser servido com arroz (gosto muito de servir com arroz negro, mas pode ser qualquer tipo de arroz) ou sem nada, só com 1 fio de azeite, como uma entradinha.

Daqui a pouco mais receitinhas que são a cara do NATAL!

Beijos & energia positiva sempre!

PS. Quem não souber preparar arroz me envia 1 email… Prometo manter a identidade em sigilo! ;-)

BACALHAU
Ingredientes:
1 kg de bacalhau
1/2 kg de batata
1 xícara de creme de leite fresco
1 colher rasa (de café) de noz moscada
Sal (se precisar)

Para ganhar tempo, primeiro descasque as batatas e leve ao fogo com bastante água até cozinhar.

Enquanto isso desfie o bacalhau no processador (se não tiver, vale o liquidificador).

Quando as batatas estiverem cozidas faça um purê usando o espremedor de batatas.

Numa panela grande coloque o purê e o bacalhau desfiado e misture bem. Leve ao fogo médio até esquentar e obter um mistura homogênea. Abaixe o fogo. Junte aos poucos o creme de leite e a noz moscada. Misture tudo. Prove e acerte o sal, se necessário.

* Importante: não deixe ferver a mistura porque o creme de leite é “zen” e não gosta muito de esquentar (aliás, quem gosta, né?!). Além do mais, ainda tem a etapa do forno.

* Se gostar muito de noz moscada rale um pouquinho mais.

* Se achar que a mistura está muito espessa coloque mais um pouco de creme de leite.
Coloque a mistura num pirex ou em pequenos ramekins individuais. Por cima coloque queijo parmesão ralado e leve ao forno médio até a superfície ficar dourada.

Retire e sirva quente.

Noz Moscada

Nenhum comentário
Não há dúvida. Olivia Palermo é uma das “It-Girls” do momento. Essa atriz/socialite americana é linda e cheia de estilo, e seus looks são admirados mundo afora. Ela usa & abusa de saltos altos, altíssimos… E tanto faz ser um sapato mais em conta da Topshop ou os exclusivos Charlotte Olympia - Olivia acerta sempre!
Charlotte Olympia
Topshop
1 comentário

Sobremesas

Marshmallow SOS!

Por Nana Guimarães

Chá de Bebê da Déa – Gêmeas (!!) – amigona do tipo Sister. Um telefonema encima da hora pedindo um help porque o “visual” da sobremesa principal não estava legal. Era para eu passar no supermercado e comprar um chantilly ou marshmallow para consertar o pavê. Me neguei, claro, afinal marshmallow é tão fácil e rápido de fazer. Bastam claras, açúcar, água, e uns 15 minutos!

A tal “sobremesa feia” sofreu uma plástica reparadora, e olha que ela nem estava tão mal assim. Mas não seria eu a contrariar uma grávida… Missão cumprida, amigas felizes, e a garantia de que Gabi & Gigi não nascerão com cara de Marsh & Mallow!

Marshmallow
Ingredientes:
2 xícaras de açúcar
1 xícara de água
4 claras
1 pitada de sal

Coloque a água e o açúcar numa panela e leve ao fogo alto até ferver. Abaixe o fogo para médio. Não é preciso ficar mexendo.

Enquanto isso bata as claras em neve até ficarem bem firmes. Uma dica: quando elas começarem a subir (ou seja, ficarem um pouco firmes) adicione 1 pitada de sal. Com as claras devidamente firmes em neve, pare a batedeira e espere a mistura de água e açúcar ficar em “ponto de fio”.

O que é ponto de fio?! A mistura da água vai ferver e vai ficar fervendo por um tempinho, daí ela vai começar a engrossar. Para o marshmallow não queremos uma mistura escura, caramelada, queremos que continue clara, translúcida. Então cuidado para não queimar a mistura.

Como saber que está pronta?! Aí é que entra a estória do ponto de fio. Você pega 1 colher, enche com a mistura, e levante cerca de 1 palmo da panela, fazendo escorrer de volta à panela lentamente. Se a mistura não estiver no ponto ela escorrerá pingando, e não formará 1 fio contínuo – ainda líquido mais contínuo. No ponto de fio você vai reparar que o líquido da colher vai escorrer uniformemente. Se quiser ter certeza do ponto, coloque 1 pouco da mistura num mármore que ela vai endurecer rapidamente, ficando um puxe-puxe.

Ligue a batedeira onde estão as claras em neve na potência máxima, e vá despejando a mistura da água com açúcar. Deixe bater até amornar. Depois deixe na geladeira até esfriar. E PRONTO!

Eu uso esse marshmallow como cobertura de tortas, em especial da torta mesclada. Meus sobrinhos adoram comer com sorvete e calda de chocolate.

4 comentários

« Posts mais antigos

Na Cozinha & De Salto Alto

Features Stats Integration Plugin developed by YD